quarta-feira, 6 de agosto de 2008

diz-me como falas, dir-te-ei em que secção trabalhas

Ontem fui visitar uma obra diferente (que agora também não interessa muito, talvez quando estiver terminada - tem aspectos interessantes que vale a pensa saber... a seu tempo), já ao fim do dia - quase fiquei roxa com tanta fome! sem lanchar, nem jantar.

No caminho éramos 4: eu, uma colega de trabalho, o jornalista e o motorista. O motorista era um senhor bem engraçado com quem me fartei de rir, descobrimos que somos quase vizinhos. O jornalista muito simpático e com quem foi um gosto conversar, um homem extremamente educado que nos abriu a porta do carro e tudo (já não se fabricam! ehehe!). E a S que é uma querida e boa colega de trabalho, com quem descobri mais um ponto em comum, desta vez sobre a nossa infância (não fomos crianças vulgares, não é? :) ).

Durante a viagem, o motorista recebeu uma chamada de trabalho e, como estava ao volante, colocou a chamada em alta-voz... Do outro lado, outro jornalista da mesma agência mas de outro departamento.

Questionou-o sobre a sua disponibilidade e soltou the F word... Nós as meninas (eu e a S, portanto) atrás no carro, olhamos uma para a outra e sorrimos. O motorista ainda fez um cof! cof! cof! nada discreto para lhe "dar o toque" mas o jornalista ao telefone não percebeu. Duas frases depois disse uma muito, mas muito pior! E não aguentámos - bbaaaahahahhaha - tivémos que rir!!!

Foi demais! Nós ficámos com os nossos ouvidinhos de meninas chamuscados mas o jornalista que estava connosco no carro não ficou muito melhor - quando a chamada terminou, desabafou: "É do desporto! Ele não era assim... Ele não era assim... Foi de ter ido para o Desporto! Eles no Desporto são um bocado... assim..."


2 comentários:

Patiti disse...

É tudo verdade! Quando trabalhei na rádio nacional mais ouvida no nosso Portugal, os meninos do desporto também gritavam uns impropérios alto e bom som... :-)

Zoe disse...

Cada vez que me lembro do episódio só me dá vontade de rir!!! Foi daquelas, como diriam os brasileiros, "cabiluudas"!
A 'atrapalhação' do jornalista também teve graça! E tanto ele como o motorista se desfizeram em desculpas :)